FM Sessions 003: A definition of an age

FM 3 começa com uma track que já foi citada como “A definição de uma era”. Joey Beltram lançou em 1990 a faixa Energy Flash, pela label Transmat. Beltram é novaiorquino nascido no Queens, e seu Acid Techno também percorreu a Europa com grande sucesso, sendo referenciado como o cara que “revolucionou o Techno duas vezes antes dos 21 anos de idade” (Simon Reynolds, autor do livro Generation Ecstasy).

Segunda faixa de hoje, French Kiss de Lil Louis (1989, Diamond Records). Essa faixa de House ficou, por duas semanas, na posição #1 no dance chart e aparece também no Billboard Hot 100. Louis (seu nome real é Marvin Burns) é nascido em Chicago, e suas produções alcançaram o topo das paradas entre os anos 80 e 90. French Kiss chama a atenção por ter um break longo no qual a música fica mais lenta gradualmente e chega até a parar.

A última Featured Music do post é a Wake Up, de Laurent Garnier, track B do EP “A Bout De Souffle” (1993, Warp Records). Um Acid Techno bem definido, lançado na França e, posteriormente, na Holanda. Garnier é francês, mas começou sua carreira como DJ em Manchester, Inglaterra, no fim dos anos 80.

Curtiu? Compartilhe! Valew!


FM Sessions 002: New class Techno

Sobe o som! A belga Amelie Lens teve a faixa In Silence (Original Mix) lançada em agosto de 2017 pela Drumcode, na coletânea A-Sides volume 6. Nascida em 1990, a gringa começou sua carreira como DJ em 2014. Toca essencialmente Techno e é residente do Labyrinth Club em Hasselt, na Bélgica. Sua primeira produção de sucesso foi a faixa Exhale, lançada pela Lyaser Recordings. Pequenas repetições de vocal feminino e um techno mais obscuro marcam suas produções. Amelie já se apresentou em grandes festivais, como Awakenings e Tomorrowland.

Segundo FM de hoje é a faixa Withdrawal, do produtor John Norman. A track foi lançada pela label Terminator Records em setembro de 2017 na Alemanha. Norman é canadense, e suas músicas podem ser encontradas em labels de renome, incluindo a KMS Records de Kevin Saunderson.

Para fechar em alta, a faixa I Wanna Go Bang do produtor islandês Bjarki, lançada em 2015 pela gravadora russa Trip, label fundada pela DJ producer Nina Kraviz. Também nascido em 1990, Bjarki é fã de Kraviz e a conheceu em 2014. “Go Bang” foi seu primeiro trabalho na gravadora de Nina. De cara ele já soltou esse petardo!

Compartilhe aí! Vlw! 🙂


FM Sessions 001: Clássicos do Techno

Feliz 2018! O FM Sessions estreia com três clássicos do Techno. Primeiro, Forgotten Worlds com a track Echoes, lançada na Bélgica em 1992 pelo selo Hithouse Records. E do mesmo lado do vinil, a segunda track do álbum, Continental Circus. Para fechar, Night Walk (Black Horses), faixa do álbum Night Walk do duo Kamasutra, lançado na Holanda em 1994 pela gravadora Touché. Night Walk é dica do meu amigo Alex Contri, DJ e produtor italiano.

Forgotten Worlds é um dos muitos nomes artísticos utilizados pelo produtor musical holandês Jeroen Verheij, cujo início da carreira em produção se deu em 1990, e seus primeiros trabalhos foram lançados pela Hithouse.

O Night Walk foi lançado primeiramente no Reino Unido e na Itália pela gravadora Wildflower Records. O Kamasutra é formado por Alex Neri e Marco Baroni, ambos italianos.

Espero que curtam esta novidade no blog. A cada post, três tracks da underground music. Comente aí o que achou, inclua tracks também nos comentários! Valew! 🙂


Corrida nas nuvens e a trilha sonora de F-Zero (SNES)

F-Zero é o título do game de corrida futurística produzido e lançado pela Nintendo em 1990 no Japão. A narrativa do jogo se passa no ano de 2560, quando o contato entre os povos de vários planetas gerou um rico mercado interespacial, cujo os magnatas criaram uma competição como a Formula 1, porém disputado em pistas espalhadas pela galáxia. Deu origem a uma série animada e a jogos derivados que ampliaram as competições, mas mantendo sempre o tema.

Todos os aspectos do game nos levam a um futuro cheio de tecnologia e essa imersão é completa graças a uma trilha sonora colorida, cheia de efeitos sonoros e timbragem marcante. Trilha que foi composta por Yumiko Kanki e Naoto Ishida, com arranjos de Robert Hill e Michiko Hill e as participações dos músicos Marc Russo (ex-integrante da banda Yellowjackets, saxofones) e Robben Ford (guitarra).


A Guerra da Arte é todo dia

A guerra da arte é diária. Exige resiliência, persistência, amor. Exige dedicação e foco. Requer o desejo de melhorar todos os dias.

A guerra consiste em você fazer o que precisa ser feito. Treinar, estudar, meditar, trabalhar, superar os obstáculos e os incômodos.

Batalhar para manter-se nos trilhos. Vencer as incertezas e os medos, nossos e de quem se atrever a tentar nos diminuir.

SIM! Todos os dias.

O foco está somente em você agir, e não esperar por terceiros ou dar justificativas.

PERSISTA!

Para quem leu o livro “A Guerra da Arte”, estas palavras devem ser bem familiares. Recomendo a leitura deste rico conteúdo escrito por Steven Pressfield.

The War of Art: Break Through the Blocks and Win Your Inner Creative Battles. Pressfield, Steven. Black Irish Entertainment, 2002.
Crédito da foto: Site “Today I Found Out”


Playlist (link): A trilha sonora de Tron 2.0

Greetings Programs! A saga da franquia Tron ganhou seu primeiro grande jogo em 2003, quando a Monolith Productions e a Disney© lançaram “Tron 2.0”. O lançamento foi considerado a primeira sequência do filme de 1982, tendo um enredo muito próximo ao do longa metragem. No game, o jovem Jethro “Jet” Bradley entra na grade virtual em busca de solucionar o sequestro do seu pai, Alan Bradley, derrotar o virus J.D. Thorne e impedir que a companhia Encom se converta a força em uma nova empresa chamada fCon.

Jet percorre várias fases até solucionar todos os dilemas propostos. E o mais legal disso tudo – além das corridas com as light cycles – é o grande presente que ganhamos com a trilha sonora composta e produzida por Wendy Carlos (veja os créditos no IMDb). No vídeo, o vírus Thorne escraviza e infecta programas para roubar dados, e a introdução do jogo em HD.

Ouça todas as faixas na playlist: http://bit.ly/2h44PcC


A arte da síntese de Isao Tomita

Isao Tomita foi um mestre na síntese sonora e, com seu sintetizador, adaptou partituras orquestrais, além de desenvolver técnicas para obter sons eletrônicos e empregá-los no lugar de sons acústicos. Japonês, viveu até seus 84 anos, morreu em abril de 2016. Deixou seu legado. Entre obras e concertos, nos deu este presente: Em 1979, publicou o álbum “The Bermuda Triangle”, que pode ser ouvido na integra neste vídeo.


Tabela periódica do Synthpop

periodictablesnthpop

Ama música? Curte um “eletrônico”? Este post é para quem é fã do Synthpop. Corra os olhos por toda a tabela e descubra a posição do seu artista favorito. Quando fiz essa dinâmica vi nomes reconhecidos por trazerem inovações na cena em suas respectivas épocas e que figuram devidamente “nas prateleiras de destaque”. Divirta-se! Pesque outros nomes, mande ver no Youtube e ouça o que eles soltaram de melhor.

Uma dica para quem se liga no Synthpop é ouvir a Rádio Synthpop, transmitida via internet a partir da cidade de Lima, no Peru.
www.radiosynthpop.com


Mickey maestro e o Overture de Guilherme Tell

Ouvir música clássica é algo libertador. E em meio às minhas incursões, tive a lembrança da animação onde o Mickey reúne a banda para um dia de concerto. “Aos trancos e barrancos”, o maestro tenta executar o Overture de Guilherme Tell, ópera em quatro atos do compositor italiano Gioachino Rossini. O resultado você vê abaixo:

Bônus: Minha favorita é a The Storm, ato 2 da ópera de Rossini, cujo vídeo também compartilho na sequência. The Storm (ou Tormenta) é o ápice da animação, quando um ciclone atinge o local do concerto e aí vai tudo pelos ares!